[Tradução] Crescimento do poder japonês

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017
Olá pessoal, tudo bem?

Hoje vamos trazer a tradução de um artigo da IFS magazine, escrito por Akiko Tamura. Esse texto conta a história de sucesso da patinação no Japão até os dias de hoje. Vamos lá!


https://www.ifsmagazine.com/rise-japanese-powerhouse/

Crescimento do poder japonês

O espírito competitivo na patinação artística que vemos hoje no Japão é o resultado de um programa cuidadosamente planejado e bem executado que foi implementado há mais de duas décadas.

Muitos se perguntam como o Japão se tornou uma nação tão forte nos últimos anos, produzindo um campeão após o outro. Não há uma resposta simples, mas o resultado é uma combinação de vários fatores que contribuíram para a ascensão dessa nação nos estádios globais.

_________________________________________________

A patinação artística tem uma longa história no Japão que remonta ao final de 1920 na categoria masculina e meados de 1930 na categoria feminina.

A Federação Japonesa de Patinação (JSF) foi fundada em 1929. Kazuyoshi Oimatsu, o primeiro representante olímpico da federação, ficou em nono lugar nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1932 em Lake Placid, N.Y.

Etsuko Inada, que ganhou sete títulos nacionais, foi a primeira mulher a representar o Japão nos Jogos de Inverno. Em 1936, com 12, ficou em 10º num total de 23 competidoras.

Um dos primeiros patinadores a representar o Japão na era moderna foi Nobua Satō, que dominou o esporte nacionalmente por uma década, ganhando 10 títulos nacionais consecutivos de 1957 a 1966. É um recorde que não foi quebrado até hoje. 

O quarto lugar de Satō no Campeonato Mundial de 1965 marcou o maior resultado do Japão na competição global. Ele foi convidado a ir em uma turnê com os medalhistas, mas teve que sair antes de completar sua participação para competir nos campeonatos nacionais. "Quando eu estava competindo era uma era diferente", recordou Satō.

"Aquela era uma época em que todos acreditavam que se você fosse um estudante, a escola teria que vir em primeiro lugar. Assim, o Campeonato Japonês acontecia durante as férias de primavera em março. "

Satō, o pai da campeã mundial de 1994, Yuka Sato, e o treinador atual da Mao Asada, se aposentou após um quinto lugar no Mundial de 1966 e se tornou treinador. Kumiko Okawa, sua primeira aluna, ficou em quinto lugar no Campeonato Mundial de 1967 e 1968. Satō depois se casou com Okawa, que também é uma treinadora bem respeitada por mérito próprio.

Tsuguhiko Kozuka, três vezes campeão nacional, e seu filho, Takahiko Kozuka, medalhista de prata em 2011, foram treinados por Satō.

Minoru Sano conquistou a primeira medalha no Mundial, um bronze, no primeiro campeonato Mundial que o Japão sediou em Tokyo em 1977. Shoichiro Tsuzuki, um dos primeiros treinadores do Yuzuru Hanyu, era o treinador principal de Sano; Satō trabalhou com ele em figuras compulsórias. "Tivemos três homens fortes na época: Sano, Fumio Igarashi (duas vezes campeão do NHK Trophy e quarto no Mundial de 1981) e Mitsuru Matsumura (sexto no Campeonato Mundial de 1980)", lembrou Satō. "Os três desafiaram-se mutuamente e a rivalidade ajudou todos a se tornarem melhores patinadores. A rivalidade sempre foi a chave. "

Emi Watanabe foi a primeira mulher a conquistar uma medalha em um Campeonato Mundial, capturando o bronze em 1979. Filha de mãe filipina e pai japonês, Watanabe era fluente em japonês e Inglês. Seu treinador, Etsuko Inada, recomendou que ela fosse para os EUA para treinar, algo que era considerado altamente incomum na época. Aos 10 anos, Watanabe mudou-se para os EUA para treinar com Felix Kaspar, e mais tarde com Carlo Fassi.

Ao contrário de hoje, era raro naquela época para os patinadores japoneses treinar no exterior, devido à barreira da língua e as considerações financeiras. Esses fatores tornaram o caminho de sucesso de Watanabe algo difícil de seguir. Watanabe tornou-se a queridinha do Japão após o Campeonato Mundial e "Emi" foi o nome mais popular para as meninas nascidas naquele ano. Então veio Midori Ito, que revolucionou completamente a patinação artística feminina no Japão.


https://www.ifsmagazine.com/rise-japanese-powerhouse/

Mudança de perspectiva 

 Machiko Yamada, que competiu na década de 1960, lembrou o quão diferente era a patinação artística durante a sua época do que é hoje. "Eu não gostava de patinar porque meus treinadores eram muito rigorosos e eu tinha medo deles. Aquela era a geração - todos eram assim naquela época. "

Yamada não podia esperar para deixar de competir e, quando o fez, voltou-se para o treinamento. Décadas depois, Yamada, agora com 73 anos, ainda trabalha na mesma pista em Nagoya, onde treinou Ito para a glória internacional há tantos anos. Olhando para trás na sua própria carreira, Yamada disse que ela percebeu que se tivesse desfrutado mais a patinação, ela provavelmente teria feito melhor. "Quando comecei a treinar, não era como se eu tivesse uma grande ambição, mas eu decidi que eu teria certeza de que meus alunos gostavam de patinação."

Ela se lembra do dia em que viu pela primeira vez uma pequena Ito de 5 anos que patinava incansavelmente pela pista. "Não era como, 'Uau, ela tem talento!'" Yamada lembrou. "Eu a notei porque ela estava desfrutando tanto da patinação - ela nunca queria parar."

Pouco depois de ingressar na classe da Yamada, o talento de Ito se tornou aparente para todos. Ito dominou quatro saltos triplos diferentes enquanto ela ainda estava na escola primária. Yamada disse que ela era destemida como uma criança. Quando os pais de Ito se separaram e sua situação familiar se tornou complicada, ela começou a passar mais tempo na casa da Yamada, mudando-se permanentemente aos 10 anos. Yamada disse que seu objetivo inicial era que Ito pudesse se sustentar financeiramente no futuro através da sua patinação.

Yamada acabou guiando Ito a muito mais do que o objetivo inicial, levando-a para nove títulos nacionais, para a vitória no Mundial de 1989 e a prata olímpica em 1992.

Antes de Ito, Tóquio tinha sido o centro do universo da patinação no Japão e aqueles que treinavam fora da capital tinham de provar que podiam patinar. O sucesso de Ito colocou Nagoya no mapa nacional da patinação artística. Na época, a JSF estava constantemente procurando modelos fora do Japão, uma prática com a qual Yamada não concordava. "Naquela época, sempre olhávamos para os melhores patinadores ocidentais e tentávamos copiá-los", lembrou Yamada. "Mas eu senti que enquanto estivéssemos copiando alguém, nós nunca seríamos o número um."

Ito então começou a trabalhar no Axel triplo, um salto que nenhuma mulher tinha conseguido fazer, e no NHK Trophy de 1988 ela executou o primeiro Axel triplo limpo numa competição internacional. No ano seguinte, Ito se tornou a primeira asiática a ganhar um título mundial. A menina de Nagoya tinha se tornado uma sensação na patinação global.

Embora fosse a favorita para o título nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1992 em Albertville, Ito acabou ficando em segundo lugar atrás da Americana Kristi Yamaguchi. Mas a história pessoal de Ito e seu sucesso olímpico acenderam uma nova geração de meninas para assumir a patinação artística e o esporte começou a ganhar popularidade no Japão.


https://www.ifsmagazine.com/rise-japanese-powerhouse/

Uma nação em ascensão

 Sem dúvida, Ito foi o catalisador para as gerações que se seguiram, e foi através dela que a JSF ganhou muito conhecimento valioso. "Aprendemos que ter apenas um patinador talentoso não era bom o suficiente. Precisávamos construir uma equipe forte ", disse Noriko Shirota, a então diretora assistente da JSF. (Em 1994, ela se tornou a diretora da JSF, cargo que ocupou por 12 anos).

Em 1992, Shirota e o pessoal da JSF fizeram um Acampamento de Verão de Desenvolvimento Juvenil, com o objetivo inicial de encontrar e desenvolver jovens talentos para se prepararem para os Jogos Olímpicos de Inverno de 1998 em Nagano. No primeiro ano, cerca de 100 patinadores entre as idades de 8 e 12 anos foram selecionados de todas as partes do Japão para participar do acampamento.

Enquanto eles estavam sendo testados por suas habilidades de patinação, os jovens tiveram a oportunidade de conhecer seus rivais e testemunhar em primeira mão o que outros eram capazes de fazer, com a esperança de que isso ajudaria a cultivar seu espírito competitivo.

A JSF então começou a enviar patinadores novatos para competições internacionais para que eles pudessem ganhar experiência desde cedo. Esse programa continua até hoje e se tornou uma base importante para a construção de uma lista contínua de talentosos jovens patinadores.

Enquanto uma geração está competindo no nível de elite nos estágios internacionais, a seguinte está sendo preparada. Fumie Suguri, Daisuke Takahashi, Miki Ando, Mao Asada e Yuzuru Hanyu estão entre os que foram descobertos nos acampamentos de desenvolvimento nos anos seguintes.

Uma das maiores descobertas no acampamento inaugural foi Shizuka Arakawa. Seis anos depois, já com 16 anos, representou o Japão nos Jogos Olímpicos de 1998 e terminou em 13º lugar. "Quando eu competi em Nagano, eu não entendia completamente o significado de estar nas Olimpíadas. Eu apenas pensei que eu era sortuda, "Arakawa recordou.

Em 2004, ela ganhou o título mundial em Dortmund, na Alemanha. Todos ficaram surpresos, incluindo Arakawa. "Eu pensei que se eu patinasse de forma limpa, eu poderia ter uma chance de conseguir uma medalha, mas eu nunca pensei em ganhar o ouro", disse ela. "Meu objetivo era mostrar o melhor desempenho antes de me aposentar, e eu pensei que era um final agradável para minha carreira na patinação competitiva."
Embora ela estivesse pronta para seguir em frente, aqueles ao seu redor estavam questionando seu momento. Os próximos Jogos Olímpicos aconteceriam duas temporadas depois, então por que parar agora, eles perguntaram. Ao longo do tempo, Arakawa repensou sua decisão anterior, ajustou seu plano e começou a se concentrar na meta dos Jogos Olímpicos de 2006. "Em Nagano, eu estava feliz por estar lá, mas decidi que se eu fosse para Torino, eu estaria lá para competir", lembrou.

O investimento feito pela JSF começou a dar resultado durante a temporada 2003-2004, quando as mulheres japonesas dominaram o pódio internacional de elite. Miki Ando ganhou os títulos do mundial júnior e da final do Grand Prix júnior; Fumie Suguri reivindicou o ouro na final sênior do Grand Prix; Arakawa ganhou o título mundial e Yukina Ohta capturou a coroa no campeonato dos quatro continentes.

As coisas não foram tão bem na temporada seguinte, mas as sementes foram plantadas e um novo senso de rivalidade se desenvolveu. A equipe feminina dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2006 foi selecionada após uma feroz batalha entre Suguri, Arakawa, Ando, Yoshie Onda e Yukari Nakano. Asada ficou em segundo lugar nesses nacionais, mas era inelegível para competir nos próximos Jogos Olímpicos devido à sua idade.

Três mulheres foram selecionadas: Ando, 18, era a única mulher a ter conseguido realizar um salto quádruplo (um Salchow); Suguri, 25, foi duas vezes medalha de bronze no mundial, e Arakawa, 23, a campeã mundial de 2004. Cada uma tinha uma chance razoável de ganhar uma medalha, de modo que nenhuma delas teve de suportar a pressão sozinha.

No final, foi Arakawa quem entrou para a história quando ela ganhou o título olímpico de 2006, a primeira atleta da Ásia a conseguir ouro olímpico na patinação artística. Foi a única medalha que o Japão ganhou nesses Jogos.

Ela se tornou uma estrela do dia para a noite, e 14 anos após a era Ito, a vitória de Arakawa criou mais uma onda enorme de febre de patinação artística. Shirota disse que a diferença entre Albertville e Torino era que o Japão tinha feito o investimento para desenvolver uma equipe que era altamente competitiva. Como ela havia dito depois dos Jogos em Albertville, o Japão precisava construir uma equipe forte e tinha conseguido fazer isso com sucesso, especialmente na categoria feminina. Osamu Kato, treinador oficial da JSF, se lembra de ter assistido Ando e Asada no Acampamento de Verão de Desenvolvimento Juvenil anos antes.

"Suas habilidades físicas excepcionais eram tão aparentes", disse ele. "Especialmente Mao, que teve uma primavera como ninguém mais - mesmo no chão ela estava saltando e pulando quando todo mundo estava andando".

O talento de Asada foi monitorado de perto desde o início. Uma admiradora de Ito, Asada tinha conseguido fazer uma combinação de triplo Axel-duplo toe loop em uma competição local quando tinha 13 anos. Quando ainda estava na sexta série, foi convidada para competir no campeonato nacional japonês, onde fez uma combinação de triplo flip-triplo loop-triplo toe loop.

"Gostaria de poder tê-la preservado em uma cápsula do tempo," lamentou Shirota.

Yamada, que era treinadora de Asada naquela época, dá todo o crédito para habilidades de salto da sua aluna. "Eu sei que as pessoas dizem que eu sou uma boa treinadora de salto, mas foi totalmente por acidente que bons saltadores vieram para mim", disse Yamada, que também treinou Onda e Nakano, ambas consideradas sólidas saltadoras. "Pessoalmente, eu sempre preferi patinadores expressivos. Quando vi as irmãs Asada, fiquei emocionada e pensei que podiam ser patinadoras de nível mundial. "

Asada deixou Yamada depois de seis anos e se mudou para os EUA para treinar com Rafael Arutyunyan. Mais tarde, ela se mudou para treinar com a russa Tatiana Tarasova na preparação para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2010.

A primeira patinadora japonesa a ganhar três títulos mundiais, Asada fez sucesso com idade precoce e sua ascensão nas etapas internacionais na década seguinte gerou mais ondas de entusiasmo na patinação artística no Japão.

O legado do  triplo Axel da Asada passou para a próxima geração. No Grand Prix Júnior na Eslovênia, em setembro, Rika Kihira, de 13 anos, conseguiu um triplo Axel em seu caminho para vencer a competição, derrotando sua companheira de equipe e atual campeã mundial júnior Marin Honda.

"A rivalidade parece ser sempre a chave para alcançar o próximo nível", disse Satō.


A ascensão dos homens

Ao contrário das mulheres, houve uma longa pausa entre a realização de Sano no Campeonato Mundial e o próximo japonês a se tornar uma estrela internacional. Takeshi Honda, que aos 14 anos se tornou o mais jovem a conquistar o título nacional, conseguiu ganhar duas medalhas de bronze consecutivas em 2002 e 2003.

Quando Honda se aposentou em 2006, outra estrela estava esperando para voar. Daisuke Takahashi fez sucesso aos 15 anos quando conseguiu o primeiro título mundial júnior do Japão em 2002.

Embora tenha lutado nos anos subsequentes para chegar ao pódio em competições sênior, tudo se realizou em uma noite no gelo olímpico de Vancouver em 2010. Lá, Takahashi escreveu sua própria parte na história quando ele reivindicou o bronze, e se tornou o primeiro japonês a conseguir medalha em Jogos Olímpicos de Inverno na patinação artística. Um mês depois, ele ganhou o título mundial, outra primeira vez não apenas para o Japão, mas também para a Ásia.

"Eu sempre invejei que eram as mulheres que recebiam toda a atenção. Eu estava esperando trazer alguns dos holofotes para os homens também ", disse Takahashi.

Suas conquistas marcaram um ponto de virada para a patinação artística masculina no Japão. Assim como esperava, mais atenção se concentrava nos patinadores masculinos. Os fãs começaram a participar em competições em massa e a mídia começou a levar o esporte a sério.

Nobunari Oda, outra grande estrela a sair do Japão, venceu o Campeonato Mundial Júnior de 2005, e em sua estreia sênior naquele ano, conquistou medalhas em suas duas etapas do Grand Prix.

Kozuka foi o próximo membro a aderir ao clube após sua vitória no Campeonato Mundial Júnior de 2006. Quando ele se juntou a Takahashi e Oda nos escalões mais altos na temporada seguinte, o Japão teve um trio de homens disputando o primeiro lugar no campeonato nacional. Esta rivalidade entre os três elevou os padrões dentro do país e apimentou os campeonatos nacionais. Todos os três capturaram o título em um momento ou outro durante um período de sete anos.

 A competição se tornou especialmente feroz quando um jovem de Sendai se juntou à batalha no outono de 2010. Hanyu, o vencedor de 2009 do Grand Prix Júnior e campeão mundial júnior de 2010, adorava Takahashi, mas isso não o impediu de reivindicar a coroa no nacional de 2012. Hanyu defendeu com êxito seu título na temporada seguinte e entrou nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 como o atual campeão nacional e a melhor esperança do Japão para uma medalha em Sochi.

Para surpresa de todos, Hanyu valsou com a medalha de ouro, tornando-se o primeiro homem asiático a ganhar um título de patinação artística olímpica. Em seus poucos anos no circuito internacional, ele redefiniu os padrões técnicos e fez história repetidamente. Ele detém o recorde de maior pontuação já concedida sob o sistema de julgamento atual, que ele ganhou na final do Grand Prix de 2015. Embora sua pontuação de 330,43 pareça intocável - pelo menos por enquanto - Hanyu não mostra nenhum sinal de desaceleração.

Ele abriu a temporada de 2016-2017 com outro feito histórico, conseguindo com sucesso o primeiro loop quadruplo ratificado no Skate Canadá Autumn Classic em Montreal em setembro. "Consegui o que consegui na temporada passada. É natural para mim avançar e tentar algo novo ", disse Hanyu, 21 anos.

Shoma Uno, seu rival de pátria de 18 anos, executou com sucesso um quad-flip no Team Challenge Cup em abril passado. Ele é o único patinador a ter realizado este salto na competição até esta data.

A patinação artística japonesa percorreu um longo caminho desde que Sano ganhou a primeira medalha mundial do Japão, há quase 40 anos. Na última década, patinadores japoneses reivindicaram sete títulos mundiais e 12 outras medalhas de cores variadas; Duas coroas olímpicas, além de duas pratas e um bronze, e conquistaram cinco títulos no Mundial Júnior.

Cada nação tem seus altos e baixos, mas o desenvolvimento do programa de patinação japonês tem visto ele evoluir de ser uma nação de tentativa e erro para uma das mais fortes do mundo.

Nos bastidores, há uma riqueza de talentos surgindo com bom desempenho, e a nação parece praticamente garantida para continuar o sucesso que tem desfrutado ao longo dos últimos 15 anos.


Publicado originalmente na edição de Novembro/Dezembro da International Figure Skating magazine.



Título original: RISE OF THE JAPANESE POWERHOUSE
Escrito por Akiko Tamura
Traduzido por Jennifer Claro



Espero que vocês tenham gostado do texto!
Nós já fizemos um post semelhante aqui no blog falando sobre a nova geração de patinadores coreanos. Vale a pena dar uma olhada na nossa teoria :)

Até mais!

Resultado do SORTEIO!!!

sábado, 28 de janeiro de 2017
Olá pessoal! Tudo bem? 
Hoje viemos anunciar quem ganhou o sorteio de aniversário de 1 ano do blog! Então sem mais delongas...
A vencedora foi a Letícia! Parabéns!!! 




Vamos mandar um e-mail para a Letícia agora e ela tem 3 dias para responder. Caso ela não responda até terça (31/01), sortearemos outra pessoa.
O prêmio será enviado por correios assim que recebermos a confirmação da vencedora.

Muito obrigada a todos que participaram e que acompanham o blog! :)
Vocês são incríveis e nós gostaríamos de presentear cada um de vocês!


Até a próxima!

Campeonato Europeu - 2017

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017
Olá, tudo bem?

O campeonato europeu deste ano tem como sede a cidade de Ostrava, na República Checa. Participam desse evento patinadores de toda Europa.




Mais informações podem ser vistas na página do evento e na página de resultados.

Segue o calendário:


25/1/2017

8:00 – Feminino curto

Ordem de apresentação



15:00 – Cerimônia de abertura

15:45 – Pares curto

Ordem de apresentação




26/1/2017

9:00 – Dança curto

Ordem de apresentação


Vídeos
 (último grupo)


16:00 – Pares longo

Resultado

Vídeos (último grupo)


27/1/2017

8:15 – Masculino curto


15:00 – Feminino longo


28/1/2017

10:30 – Dança longo

Resultado

Vídeos

14:50 – Masculino longo

Resultado

Vídeos


29/1/2017

11:30 – Exibição


Acabei errando a hora das apresentações. Como nos nacionais americanos e canadense precisava somar horas, acabei fazendo a mesma coisa com o europeu. Agora, os horários estão certos.

A Sportv 2 está transmitindo algumas categorias. Basta conferir a programação na página deles.

Vocês já estão participando do sorteio de aniversário do blog?
É só clicar na imagem para ver como se inscrever! :)


http://figureskatingbr.blogspot.com.br/2017/01/sorteio-de-um-ano-de-blog.html

Até mais!

Como são definidos os atletas que vão para as Olimpíadas?

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017
Olá, tudo bem?

Fonte


As Olimpíadas de Inverno já estão próximas. Mas como exatamente os atletas serão escolhidos para PyeongChang?

O processo é explicado neste documento.

O número de vagas é o seguinte:




No campeonato mundial de 2017 serão definidas as vagas por países. No total, serão escolhidas 24 vagas para o masculino e feminino, 19 para dança e 13 para pares. As vagas faltantes ficarão para um evento posterior, o Nebelhorn Trophy, conforme confirmado pela ISU.

A divisão de vagas entre os países se dá conforme a tabela abaixo:



 O que isso quer dizer? Bem, para alcançar 3 vagas, o país deve ter tido no máximo 13 pontos obtidos por 2 atletas no mundial, ou no máximo 2 pontos por um atleta. Para qualificar dois atletas, o país deve ter tido entre 14 e 28 pontos em dois atletas ou 3 a 10 para um atleta. O resto fica com uma vaga, considerada a ordem de classificação dos melhores atletas do país na competição, até que se encerrem as vagas.

E como calcular os pontos? A regra é meio chatinha. Um atleta que não se qualifica para o programa longo fica com 18 pontos. Quem se classificou para o longo, mas não ficou em uma posição melhor do que 16º recebe 16 pontos. Daí para frente o que conta é o número da posição de cada um. Quem fica em primeiro ganha um ponto, segundo ganha 2, e aí por diante.

No Nebelhorn Trophy serão qualificados os melhores atletas de países que não conseguiram a vaga no mundial, até que as vagas tenham terminado.

Para se qualificar, o atleta deve ainda ter no mínimo 15 anos na data de 1º de julho de 2017 e ter atingido índice olímpico em alguma competição oficial da ISU na temporada 2017/2018.

Já a competição de times vai depender do desempenho dos atletas de cada país na temporada 2017/2018, conforme a tabela:



Na competição de times, cada país terá um  homem, uma mulher, uma dupla de pares e uma dupla de dança. Os mais cotados para participar das 10 vagas são Rússia, Canadá, EUA, Japão e Itália.


Daí a grande importância do campeonato mundial de 2017, pois ele influencia diretamente o número de vagas por país. No caso de um país em que apenas um atleta se destaca, um bom desempenho pode praticamente garantir esse patinador nas Olimpíadas, bastando conseguir o índice na temporada seguinte.

Após escolhidas as vagas do país, cada federação tem seu critério de avaliação para decidir qual atleta vai enviar. 

Vocês já estão participando do sorteio de aniversário do blog?
É só clicar na imagem para ver como se inscrever! :)


http://figureskatingbr.blogspot.com.br/2017/01/sorteio-de-um-ano-de-blog.html

Até mais!

3 Filmes sobre patinação no gelo para ver na Netflix

sábado, 21 de janeiro de 2017
Olá, tudo bem?

Hoje vamos indicar 3 filmes sobre patinação no gelo disponíveis na Netflix. São dois romances e um documentário. Vamos lá!




Castelos de gelo (2010)

Essa versão já é uma refilmagem. Tem a participação da ex patinadora Michelle Kwan (ela faz pontas em vários filmes sobre patinação). A protagonista também é patinadora profissional. Atualmente ela participa do Disney on Ice, interpretando personagens como princesa Merida (Valente), Jessie (Toy Story) e princesa Anna (Frozen).



 Sinopse: Alexis Winston (Taylor Firth) é uma patinadora que sonha em ganhar uma competição e ser famosa no esporte. Quando um treinador resolve investir em sua carreira, ela deixa para trás a família e o namorado para perseguir o seu sonho. Só que um terrível acidente tira sua visão, e seus planos parecem arruinados. Ela precisará da ajuda daqueles que a amam se quiser deixar de ser uma menina comum, agora cega, e se tornar uma estrela no mundo da patinação.




The Fabulous Ice Age (2013)

É um documentário bem interessante mostrando a história dos espetáculos de patinação. É incrível ver os shows que faziam antigamente!



Sinopse: O filme retrata a era das grandes turnês dos shows de patinação no gelo, que dominaram o setor de entretenimento familiar por décadas com seus espetáculos deslumbrantes.




The Cutting Edge: Going for the Gold (2006)

O título deste filme em português é "Um casal quase perfeito 2". É uma continuação de "Um casal quase perfeito" de 1992, mostrando a vida da filha do casal do primeiro filme. Apesar de alguns exageros (o que é bem comum nos filmes sobre patinação), o filme é divertido.




Sinopse: Uma dupla de patinação artística, Doug Dorsey (Scott Thompson Baker) e Kate Moseley, obteve em 1992 a Medalha de Ouro dos Jogos Olímpicos de Inverno em Albertville. Agora a filha deles, Jackie Dorsey (Christy Carlson Romano), quer seguir os passos dos pais. Entretanto após sofrer um acidente num torneio, que lhe causou duas fraturas, o futuro dela no esporte é incerto. Desta forma seus pais fazem com que saia do centro de treinamento, que Doug construiu em Connecticut, e mandam que descanse na Califórnia. Jackie conhece lá Alex Harrison (Ross Thomas), um exímio patinador mas não no gelo, e tem um rápido namoro com ele. Alex poderia ser um profissional do esporte bem sucedido, mas tem fama de irresponsável e de faltar aos compromissos. Paralelamente Jackie volta para Connecticut e ela, que sempre se recusou a patinar em dupla, vê que agora pode ser uma melhor opção e está testando candidatos para ser seu parceiro. Na Califórnia, Alex, que há três meses treinava para aprender a patinar no gelo, sabe do teste e viaja 5000 km para fazê-lo. Não é visto com bons olhos por Jackie mas, apesar dos pesares, fica claro que ele é a melhor opção. Só que existe um problema sério entre os dois, pois uma dupla deve ter uma harmonia perfeita e Jackie e Alex estão na verdade competindo entre si.



 Vocês já assistiram algum desses filmes? O que acharam?
Estamos preparando um post mais detalhado sobre todos os filmes de patinação. 



Vocês já estão participando do sorteio de aniversário do blog?
É só clicar na imagem para ver como se inscrever! :)
http://figureskatingbr.blogspot.com.br/2017/01/sorteio-de-um-ano-de-blog.html


Até a próxima! 


[Este post não é um publieditorial]

Campeonato americano 2017

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017
Olá, tudo bem?

O campeonato americano já chegou. Ele será disputado em Kansas City. Serão disputadas as categorias masculina, feminina, pares e dança, nos níveis, novato, júnior e sênior.

Fonte

A página oficial do evento está neste link e lá será possível ver o calendário, resultados e outras informações. Mas como a página do campeonato é meio ruim, indico a página do ice network.

Segue o calendário:

19/1/17

21:30 - Curto pares

Lista de reprodução
Ordem de apresentação

1 Chelsea Liu, St. Paul FSC/Brian Johnson, Detroit SC
2 Haven Denney, SC of New York/Brandon Frazier, All Year FSC
3 Joy Weinberg, Southwest Florida FSC/Maximiliano Fernandez, Southwest Florida FSC
--- (ice resurface?)
4 Alexandria Shaughnessy, SC of Boston/James Morgan, SC of Boston
5 Ashley Cain, SC of New York/Timothy LeDuc, Los Angeles FSC
7 Jessica Pfund, Southwest Florida FSC/Joshua Santillan, All Year FSC
8 Deanna Stellato-Dudek, Southwest Florida FSC/Nathan Bartholomay, Southwest Florida FSC
--
9 Erika Smith, SC of New York/AJ Reiss, Los Angeles FSC
10 Cali Fujimoto, Peninsula SC/Nicholas Barsi-Rhyne, Southwest Florida FSC
11 Marissa Castelli, SC of Boston/Mervin Tran, SC of Boston
12 Tarah Kayne, Southwest Florida FSC/ Danny O'Shea, Southwest Florida FSC

1:30 (20/1) - Feminino curto
Ordem de apresentação

1 Hannah Miller, Lansing SC
2 Caroline Zhang, All Year FSC
3 Franchesca Chiera, Panthers FSC
4 Tessa Hong, Broadmoor SC
5 Angela Wang, Salt Lake Figure Skating
---
6 Karen Chen, Peninsula SC
7 Amber Glenn, Dallas FSC
8 Courtney Hicks, All Year FSC
9 Mariah Bell, Rocky Mountain FSC
10 Ashley Wagner, SC of Wilmington
---
11 Bradie Tennell, Wagon Wheel FSC
12 Ashley Shin, Dallas FSC
13 Gracie Gold, Wagon Wheel FSC
14 Megan Wessenberg, SC of Boston
----
15 Paige Rydberg, All Year FSC
16 Livvy Shilling, Sun Valley FSC
17 Katie McBeath, Westminster FSC of Erie
18 Mirai Nagasu, Pasadena FSC
19 Rebecca Peng, SC of Boston

20/1/17

22:00 - Dança curto

Lista de reprodução

Ordem de apresentação

1    Julia Biechler, SC of Wilmington
Damian Dodge, Peninsula SC        
     2    Elliana Pogrebinsky, Peninsula SC
Alex Benoit, Skokie Valley SC        
     3    Elicia Reynolds, SC of Wilmington
Stephen Reynolds, SC of Wilmington        
     4    Karina Manta, Coyotes SC of Arizona
Joseph Johnson, Broadmoor SC        
     5    Kseniya Ponomaryova, Skokie Valley SC
Oleg Altukhov, North County FSC        
     6    Madison Hubbell, Lansing SC
Zachary Donohue, Lansing SC        
     7    Maia Shibutani, SC of New York
Alex Shibutani, SC of New York        
     8    Kaitlin Hawayek, Detroit SC
Jean-Luc Baker, Seattle SC        
     9    Charlotte Maxwell, Arctic FSC
Ryan Devereaux, Pittsburgh FSC        
     10    Madison Chock, All Year FSC
Evan Bates, Ann Arbor FSC        
     11    Anastasia Cannuscio, University of Delaware FSC
Colin McManus, SC of Boston

0:30 (21/1) - Masculino curto

Ordem de apresentação
1 Alexander Johnson, Braemar-City of Lakes FSC
2 Tomoki Hiwatashi, DuPage FSC
3 Andrew Torgashev, Panthers FSC
4 Timothy Dolensky, Atlanta FSC
--
5 Sean Rabbitt, Glacier Falls FSC
6 Oleksiy Melnyk, Washington FSC
7 Dennis Phan, Birmingham FSC
8 Jimmy Ma, SC of New York
9 Shotaro Omori, Los Angeles FSC
---
10 Daniel Kulenkamp, Sun Valley FSC
11 Max Aaron, Broadmoor SC
12 Sebastien Payannet, Rocky Mountain FSC
13 Scott Dyer, All Year FSC
14 Grant Hochstein, SC of New York
15 Vincent Zhou, SC of San Francisco
---
16 Emmanuel Savary, University of Delaware FSC
17 Kevin Shum, SC of Boston
18 Nathan Chen, Salt Lake Figure Skating
19 Jordan Moeller, Northern Ice SC
20 Ross Miner, SC of Boston
21 Jason Brown, Skokie Valley SC

Não consegui achar alguma TV transmitindo. No ano passado, o evento foi transmitido pela ESPN. Conforme for encontrando mais informações, vou atualizando.

Vocês já estão participando do sorteio de aniversário do blog?
É só clicar na imagem para ver como se inscrever! :)


http://figureskatingbr.blogspot.com.br/2017/01/sorteio-de-um-ano-de-blog.html


Até mais!



Campeonato canadense 2017

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017
Olá, tudo bem?

O campeonato canadense começou hoje. Estão sendo disputadas as categorias masculina, feminina, dança e pares nos níveis júnior, novato e sênior.

Fonte


A ordem de apresentação, os resultados e a transmissão ao vivo podem ser encontrados na página do evento.




Segue o calendário:

16/1/2017

13:00 - Novatos, dança compulsória

16:20 - Novatos, feminino curto

18:40 - Novatos, masculino curto

21:00 - Junior, masculino curto

23:45 - Junior, dança curto

17/1/2017

12:10 - Novato, dança longo

14:40 - Novato, masculino longo

17:40 - Novato, feminino longo

20:35 - Novato, pares curto

21:40 - Junior, pares curto

22:55 - Junior, dança longo

1:05 (18/1)- Cerimônia de premiação

18/1/2017

14:25 - Junior, feminino curto

17:10 - Novato, pares longo

18:15 - Junior, pares longo

19:40 - Junior, masculino longo

22:30 - Cerimônia de premiação

19/1/2017

22:20 - Show

22:55 - Junior, feminino longo

1:35 (20/1) - Cerimônia de premiação

20/1/16

15:15 - Cerimônia de abertura

16:27 - Sênior, Feminino curto
Ordem inicial

Vídeos (último grupo) 



19:14 - Sênior, dança curto
Ordem inicial

Vídeo



21:10 - Sênior, masculino curto
Ordem inicial

Vídeo
Vídeo - Patrick Chan (último a patinar)

0:18 (21/1) - Sênior, pares curto
Ordem inicial

Vídeo


21/1/16

13:45 - Sênior, feminino longo (1-12)

15:43 - Sênior, dança longo

Vídeo

17:24 - Sênior, feminino longo (13 - 18)

Vídeo

19:17 - Sênior, masculino longo (1 - 10)

21:21 - Sênior, pares longo

Vídeo

23:03 - Sênior, masculino longo (11 - 21)

Vídeo

1:00 (22/1)- Cerimônia de premiação

22/1/16

17:00 - Exibição


Fiquem de olho nas atualizações

Vocês já estão participando do sorteio de aniversário do blog?
É só clicar na imagem para ver como se inscrever! :)


http://figureskatingbr.blogspot.com.br/2017/01/sorteio-de-um-ano-de-blog.html


Até mais!

VPN e Adblock

sábado, 14 de janeiro de 2017
Olá, tudo bem?

Hoje vamos falar de algumas ferramentas para quem assiste vídeos na internet e que são frequentemente mencionados quando se fala de competições ao vivo. São o VPN e adblock. Para quem não entende muito de redes e internet, é sempre interessante ficar um pouco mais por dentro dos termos que vemos por aí.

Fonte


VPN

O VPN (Virtual Private Network) é uma forma de conectar computadores usando uma rede pública. É muito utilizado para empresas que precisam conectar filiais de modo seguro. Mas o uso mais citado em fóruns de patinação é mudar o país que o site reconhece como sendo a origem do usuário que acessa a página. Isso foi muito usado, por exemplo, em situações em que o YouTube foi bloqueado no Brasil por decisão judicial. Entrando por meio de VPN, o usuário brasileiro era reconhecido como sendo de outro país, e conseguia entrar no YouTube.

No caso da patinação, isso geralmente é usado para páginas que bloqueiam o conteúdo para determinados países. 

Há várias extensões disponíveis para Chrome e Firefox que servem para mudar o país que é reconhecido e navegar na internet como se estivesse em outro lugar. Dentre elas, talvez a mais conhecida seja a Hola.

Adblock

Fonte


Adblock é uma ferramenta muito importante para quem quer ver vídeos ao vivo. Ela bloqueia  propagandas que são veiculadas em páginas de internet. Embora na maioria dos sites isso não seja um problema, há alguns lugares que abusam, colocando milhares de pop-ups e abrindo anúncios por cima do conteúdo que você quer ver. Em alguns casos, até mesmo anúncios com teor pornográfico podem ser veiculados. Então, ao navegar por páginas que exageram na dose de propagandas ou são meio suspeitas pode ser mais prático e seguro usar o adblock.

O uso de adblock pode atrapalhar a monetização da páginas que você acessa. Pelo menos eu evito usar para blogs, páginas comuns ou YouTube por causa disso. Eu ativo a extensão apenas quando vou a alguma página em que posso ter os problemas acima, até mesmo por motivos de segurança.

Há várias extensões para navegadores que servem para bloquear anúncios indesejados. Eu costumo usar uma chamada adblock para o Chrome, que até hoje funcionou bem para mim e que permite pausar caso eu não queira usar.



E então, tem alguma extensão para navegador que vocês consideram útil para assistir competições de patinação?


Vocês já estão participando do sorteio de aniversário do blog?
É só clicar na imagem para ver como se inscrever! :)

http://figureskatingbr.blogspot.com.br/2017/01/sorteio-de-um-ano-de-blog.html


Até mais!


Review - pista de patinação do Park Shopping

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017
Olá, tudo bem?

Hoje vamos falar de mais uma pista de gelo. Dessa vez vamos analisar a pista temporária do Park Shopping, em Brasília.



Como todas as pistas do Brasil nos últimos tempos, há a obrigatoriedade do uso de joelheiras, cotoveleiras, luvas e capacetes. E como sempre, a higiene desses equipamentos desnecessários é bem precária.

Algo que também parece intimidar a primeira vista é uma longa lista de regras de utilização da pista que é bem restritiva. Por sorte, na hora de patinar os funcionários usam o bom senso. Provavelmente, as restrições são mais uma justificativa para expulsar gente imprudente do que regras para serem seguidas ao pé da letra.

A pista não é muito grande, mas pelo menos não estava muito cheia nas vezes que nós fomos.  Também não ajuda o fato de ter duas pilastras no meio. Mas acho que dentro do shopping não tinha mesmo como ser diferente, a não ser que separassem um espaço do estacionamento.

O preço é bem elevado: 40 reais por meia hora, principalmente tendo em vista o tamanho da pista. Não há opção de desconto para uma hora ou para dias úteis.

O gelo variou muito. Estava meio ruim quando fomos à tarde, mas estava bom quando fomos antes do almoço. Eu imagino que arrumem de manhã e depois não façam limpeza. Em geral, não é muito boa, mas já vimos piores.



Os funcionários são muito simpáticos. Também não ficam o tempo todo freando bruscamente no gelo para se mostrar, como já vi em muitas pistas, estragando o gelo desnecessariamente. Foi um dos pontos altos da experiência.

O melhor de tudo é o bônus de 15 minutos que recebemos por termos patins próprios. Não é comum você ter alguma vantagem por ter seu próprio patins em rinks no Brasil. Foi uma surpresa muito boa. Também gostei do fato dos funcionários não tentarem colocar os patins e os outros equipamentos, quando fica claro que a gente consegue fazer isso sozinhos. A equipe tem bom senso.

Enfim, não é o espaço ideal para quem quer levar a patinação um pouco mais a sério, mas é o que temos aqui por perto. Infelizmente, o espaço será desmontado no início de fevereiro. Para mais informações, esta é a página da pista

A nota é 4,5/10, lembrando que é uma pista de shopping e uma pista nota 10 seria de um rink oficial. Não quer dizer que seja a pior pista.

Também já fizemos um review da pista temporária que teve no Taguatinga Shopping no ano passado. Quem quiser ver, basta entrar aqui.

Se tiver alguma pista temporária na cidade de vocês, podem enviar um relato para colocarmos aqui. Assim, mais pessoas saberão da pista e poderão aproveitar. Se quiserem é só entrar em contato com a gente nos comentários ou mandar mensagem nas redes sociais!


Vocês já estão participando do sorteio de aniversário do blog?
É só clicar na imagem para ver como se inscrever! :)

http://figureskatingbr.blogspot.com.br/2017/01/sorteio-de-um-ano-de-blog.html


Até mais!


Final do Grand Prix - experiência pessoal

sábado, 7 de janeiro de 2017
Olá, tudo bem?

Já postamos muita coisa sobre a final do Grand Prix. Mas ao contrário dos posts sobre a competição em si, agora gostaria de mostrar um outro lado. Como será a experiência de ir a um evento de patinação?


http://www.marseille13.fr/fr/palais-omnisports-marseille-grand-est



Essa é nossa segunda final de Grand Prix. Ano passado, a final foi em Barcelona. Tanto na época quanto agora, aproveitamos as férias em lugares próximos para tomar um trem para a cidade em que estava sendo disputado o evento.

Chegamos a Marselha terça-feira, dia 6 de dezembro. Tínhamos ingressos apenas para sexta e sábado. Na quinta-feira, acompanhamos as competições pelo computador mesmo. Mas isso não significa que nada de especial tenha acontecido.

Resolvemos visitar o Palais du Pharo, próximo ao Vieux Port. Para nossa surpresa, quando passávamos por perto do mar, cruzamos com a Satoko Miyahara e suas técnicas. Eu demorei a perceber e fiquei um pouco sem ação. Andando um pouco mais, passamos pelo Novotel Marseille Vieux Port e vimos um ônibus em frente. Percebemos que era onde estavam hospedados os patinadores e as equipes deles. Conseguimos ver a Anastasia Gubanova lá dentro, na porta do hotel, esperando por alguma coisa (talvez o ônibus ou alguém da equipe dela). 

Jenny no Palais du Pharo

O parque e o palácio eram bem bonitos e tinham uma ótima vista. Na volta, vimos a Maia e o Alex Shibutani voltando para o hotel. Mais tarde, descobrimos nos vídeos deles no youtube que voltavam da mesma roda gigante para onde estávamos indo.

Vista da roda gigante

Não, não falamos com nenhum deles nem pedimos autógrafos. Eu sou bem tímido, jamais teria coragem de falar com alguém na rua assim. Além disso, as coisas aconteceram muito rápido. É algo do tipo "peraí, conheço essa pessoa". E quando cai a ficha eles já estão passando.

No dia seguinte fomos ao evento. De início, estava bem preocupado com o deslocamento para lá. O Palais Omnisport fica longe do metrô (cerca de 2 km) e voltaríamos só de noite. Marselha não é exatamente a cidade mais segura da Europa, então essa era uma preocupação bem forte. Ficamos com saudades de Barcelona, onde o evento era próximo ao metrô e tinha até um shopping em frente, com bons restaurantes e lojas.

O caminho de ida foi bem chato. Assim que descemos do metrô, havia várias ruas indo para todo lado. Por sorte, tinha um celular com chip e pude encontrar a direção certa. Em determinado trecho, o caminho ficou bem ruim de andar. Tivemos que passar por elevados e locais sem muito espaço para pedestre. Isso sem contar a sujeira. Havia muito cocô de cachorro (e até de gente) e lixo jogado pelas calçadas. Realmente, foi um contraste bem grande com a limpeza e organização de outras cidades da Europa.

A vizinhança não tinha uma cara muito amistosa. A minha impressão foi que resolveram construir o ginásio lá para tentar revitalizar um bairro ruim, mas não deram a atenção devida ao entorno ou as opções de transportes públicos. Mas, ao contrário de Barcelona, não pretendíamos sair do local do evento, pois os ingressos não tinham lugar marcado (mais um ponto negativo para a organização do evento). 

O ginásio em si parecia mais pensado para abrigar escolas de patinação ou hockey. Tinha um café próximo a saída, um corredor e a entrada para o ginásio principal. Na página deles na internet dá para ver que possuem também outra pista de patinação menor, que ficou fechada para o público geral. Nos corredores havia a loja do evento e alguns stands, incluindo a loja de souvenirs. Aliás, foi lá que compramos os prêmios do sorteio.

A pista tinha boa visibilidade, mas as cadeiras não tinham encosto, o que faz uma grande diferença para eventos longos. Em Barcelona eles montaram a estrutura do evento do zero e foi bem mais organizado e melhor pensado para o conforto do público. O evento tinha poucos banheiros e as filas ficavam enormes nos intervalos. Alguns banheiros não tinham trinco e era preciso deixar alguém do lado de fora vigiando.



A sensação de ver os patinadores pessoalmente é muito boa. Não tem nem comparação com assistir no computador ou mesmo na TV. Alguns patinadores te surpreendem bastante ao vivo. É o caso de Anastasia Gubanova, que tem programas lindos. Outra coisa boa é poder apoiar os patinadores pessoalmente. Quando bate palmas, você sabe que eles estão ouvindo. A sensação é que você consegue empurra-los um pouco mais a frente. Sim, pode ser exagero, mas não deixa de ser uma sensação boa.

Outra coisa muito legal é poder ver um pouco dos "bastidores" do evento. Evgenia Medvedeva, por exemplo, sempre gosta de sair um pouco antes das outras atletas na entrada do grupo. Apesar de parecer ter nervos de aço na hora da competição, ela também tem o costume de tapar os ouvidos na hora de ouvir as notas da atleta anterior. Aliás, esse é um costume bem comum, principalmente entre as mulheres.


Evgenia na hora da nota da atleta anterior

Yuzuru Hanyu é bem amigo de Javier Fernandez. No programa longo, Javier se apresentou logo depois dele. Yuzu ficou no kiss and cry até quase o final da apresentação, torcendo pelo amigo. No meio do programa, Medvedeva e Anna Pogorilaya também apareceram para ver. Pena que Javier não estava em um bom dia.

Nos intervalos das competições, aproveitamos para comprar lanches. A variedade era um ponto em que esse evento foi melhor do que no ano passado. Tinha até frutas frescas disponíveis.

Em compensação,  o sinal do celular estava péssimo. Era necessário descer se quisesse usar a internet. É uma pena, porque gostariamos de postar muito mais durante as competições.

O evento terminou depois das 10 da noite. Ao contrário de Barcelona, não era possível ver os atletas deixando o local do evento. Nada de autógrafos ou fotos. Em Barcelona conseguimos autógrafos de vários atletas. Foi realmente incrível!

https://www.instagram.com/p/BDrpKCDP3pA/
Jenny e Javier Fernandez na final de Barcelona


Ao sair, tentamos ver o que a multidão fazia. Havia muita gente indo para o ponto de ônibus. Antes de sair para a final, pesquisei sobre o transporte público e descobri que depois das 21:30, as linhas de ônibus param de circular, ficando apenas uma linha noturna, que só passa de uma em uma hora até 0:30. Eu até me senti no Brasil com um transporte tão deficiente. Nossa sorte foi que o horário do ônibus estava próximo da hora em que saímos do ginásio. Então, decidimos ir para o ponto junto com todo mundo.

O ônibus chegou na hora certa e a multidão toda coube lá dentro. A prefeitura nem pensou em reforçar a frota por causa do evento, se não coubesse ia sobrar gente mesmo. Chegamos bem no metrô e depois ao hotel, que ficava próximo a uma estação.

No dia seguinte, o ginásio estava mais cheio, mas conseguimos um bom lugar mesmo assim. Como era a final de muitas categorias, usamos muito mais a câmera do que no dia anterior. Também consegui um pouco mais de sinal de telefone do que no dia anterior, mas só um pouco.

Durante as competições do junior masculino e pares, o gelo estava com uma poça gigante próximo a gente. Isso causou um episódio engraçado. Consegui tirar uma foto e postar no twitter do blog com a hastag do evento. Só que nos intervalos, a organização passava no telão algumas fotos que os expectadores postavam no twitter. Qual não foi a minha surpresa quando eles colocaram a minha postagem falando mal do gelo do evento. Depois dessa, até evitei usar a hashtag. E felizmente consertaram o gelo para as outras competições.

O fim do evento é sempre triste. Dá uma sensação de vazio, de fim de festa. Em Barcelona essa sensação de tristeza foi bem maior, já que gostamos muito mais do evento quando foi realizado lá. Aliás foi quando estávamos na final de Barcelona que surgiu a ideia de criar este blog! Alguns patinadores saíram pela frente, como o Alex Shibutani e o Adam Rippon, mas eles foram bem rápido para um carro. O Brian Orser também saiu por lá e falou rapidamente com os fãs. A Jenny conseguiu cumprimentar ele. Infelizmente ele também estava com pressa. Achamos que ele pegaria um voo nesse mesmo dia, pois sua equipe estava apressando muito, dizendo que iam perder a hora. Pena que as fotos que tirei desse momento ficaram desfocadas.

Estava uma confusão fora do Palais Omnisport. Havia um engarrafamento horrível. E para piorar, dessa vez precisávamos esperar mais de uma hora se fôssemos pegar o ônibus para o metrô. Por isso, decidimos chamar um Uber assim que o trânsito melhorou. Foi um pouco caro, mas deu tudo certo. Nosso voo era bem cedo no dia seguinte, então cada segundo de  descanso era precioso.

O saldo foi positivo, embora eu realmente não recomende um evento organizado pela federação francesa de patinação, pelas inúmeras falhas desde a venda de ingressos até problemas no evento. A cidade de Marselha também não é muito amigável e deixou a desejar, principalmente em relação ao transporte público. Mas de maneira geral, recomendo a todo mundo que um dia vá em algum evento grande de patinação. Vale muito a pena. Sim, não é todo mundo que tem dinheiro para viajar para o exterior. Mas não custa nada colocar uma final do Grand Prix, um mundial ou até mesmo uma Olimpíada na lista de projetos. Vai que um dia você viaja para algum lugar próximo ao evento? Quem sabe um dia não podemos ter uma caravana de fãs do Brasil viajando juntos para um desses eventos? Ia ser muito legal! :)

Nós gostamos bem mais do evento em Barcelona (onde ainda tivemos a emoção de ver os recordes do Yuzu). O de Marselha deixou a desejar em muitos aspectos, mas o principal, que era ver os patinadores competindo, foi incrível!

Vocês  tem vontade de ver algum evento pessoalmente? O que acharam da final do Grand Prix? Ficaram felizes com os resultados? Torceram por quais patinadores?

Se quiserem saber mais algum detalhe fiquem a vontade para nos perguntar!
Não deixem de verificar nosso álbum da final do Grand Prix no facebook. Já colocamos várias fotos e ainda temos muitas para adicionar!


Vocês já estão participando do sorteio de aniversário do blog?
É só clicar na imagem para ver como se inscrever! :)

http://figureskatingbr.blogspot.com.br/2017/01/sorteio-de-um-ano-de-blog.html


Até mais!



SORTEIO de um ano do blog

terça-feira, 3 de janeiro de 2017



Olá, tudo bem?

O blog completará um ano no dia 08/01! E para presentear nossos leitores, faremos um sorteio. Agradecemos muito a todos que tem acompanhado o Figure Skating Brasil. Vamos continuar nos esforçando para trazer muito conteúdo sobre este esporte maravilhoso!


Prêmios:

Nós trouxemos algumas lembrancinhas da final do Grand Prix 2016 para montar este kit. O vencedor receberá uma tote bag, um chaveiro e uma caneta!

 *tote bag*


 *chaveiro*


*caneta*


Como participar:

Para participar é bem fácil! Basta ser seguidor(a) do blog ou da nossa página no facebook e preencher o formulário abaixo. Ao fazer isso, você desbloqueia chances extras. No total, cada pessoa poderá ter até 6 chances de participar.

As inscrições serão encerradas no dia 28/01/2017 e no mesmo dia colocaremos o resultado aqui no blog e na página do facebook. Também entraremos em contato por e-mail com o ganhador. Se não recebermos a resposta em 3 dias, faremos um novo sorteio.

O sorteio é apenas para quem mora no Brasil.




Chances extras (opcionais):

As chances extras são as seguintes:

Seguir no twitter, se inscrever no canal do youtube, seguir no instagram, compartilhar no facebook e retwittar.

Assim que você escrever o seu nome de seguidor (no blog ou facebook) e confirmar sua participação, as opções extras vão aparecer automaticamente. Você pode preencher o que preferir para aumentar suas chances de ganhar.

Caso você queira compartilhar o sorteio no facebook clique aqui. Para retwittar clique aqui.
Se quiser divulgar no seu blog, fique a vontade para usar as imagens deste post.


Aqui está o formulário:




Desejamos boa sorte a todos!!!

Até mais!

© Figure Skating Brasil - 2017. Todos os direitos reservados.
Design by: Thays Martins.
imagem-logo